18.4.12

Bola de fubá ou os doces na minha vida

Um dia desses, percebi que a maioria das receitas do Assim ou Assado é doce. E comecei a pensar o significado disso. Sempre tive a autoimagem de que não gostava de doces. Não sei se estava equivocada ou se mudei.

Quando criança, acompanhava minha mãe em suas reuniões do vigilantes do peso. Acho que é por isso que aprendi a gostar de coisas ditas saudáveis. Arroz e pães integrais, mamão geladinho, queijo branco. Iguaria, para mim, é cogumelo, palmito, couve e por aí vai. Nunca gostei de biscoito de supermercado e similares. Minha máxima é: doce, só se for muito bom.

Depois que a menina nasceu, percebi que os doces ganharam outro status em minha vida. Acho que precisava de energia rápida e disponível para dar conta de um bebê longe da família e das facilidades brasileiras (leia-se assessoria para o trabalho doméstico). Também usei como forma de compensação. Trocava a doação do meu leite por uma torta deliciosa. E isso durou dois anos e um mês, o tempo da amamentação. Com o fim do festival do peito, decidi que o festival de torta também tinha que chegar ao fim. E comecei a comer um pedacinho de chocolate depois do almoço. Sou feliz, estou satisfeita com minha cota diária de açúcar. A cintura agradece.

Gosto de presentear as pessoas com comidas feitas por mim. O bolo de natal é um clássico. O retorno às panelas trouxe junto o desejo de diversificar os quitutes. E lógico que caminho em direção aos doces. Afinal, quem gostará de ganhar uma torta de quinoa com abóbora? E só chegar uma data especial, ou uma visita, que me ponho a pensar qual o presente que vou dar. Hoje percebo que doce é expressão de afeto.  Faço doce para compartilhar com as pessoas. Esta semana, tenho uma visita mais que especial: minha irmã. O quitute da vez é a torta de fubá da nossa infância. Encontro bom é em volta da mesa, com bolo e café. O papo flui, a alma esquenta.

 Ingredientes:
3 ovos;
2 xícaras de queijo parmesão (usei 1, era o que tinha em casa);
2 colheres (sopa) de manteiga;
1 colher (sopa) farinha de trigo;
1 colher (chá) fermento em pó;
2 xícaras de açúcar (usei 1 e ½ , pois não gosto de sabor MUITO doce);
1 e ½ xícara de fubá;
3 xícaras de leite.

Bater todos os ingredientes no liquidificador. Colocar a massa em uma forma untada. Assar em forno médio por uns 40 minutos. Depois, é só fazer um café e desfrutar da delícia. A consistência da torta é incrível. Crocante por cima, e molinha por baixo. Sabor de coisa boa!


Um comentário:

SHEYLA - DMULHERES disse...

Daniela , que delícia de bolo! Hummmmm

Bjos, obrigada pela visita!
Sheyla.